Como negociar a taxa de cartão de crédito com as operadoras
31/07/2013
Comércio eletrônico deve movimentar cerca R$ 1 bi em agosto, segundo E-Bit
05/08/2013

O campo de busca no seu e-commerce não deve ser um mero detalhe colocado na home, só porque o designer achou legal ou porque o arquiteto de informação estudou e viu que era uma boa prática. Muito menos porque “todo mundo tem então também tenho que ter”. Ele deve ser um campo de entendimento de comportamento do consumidor, altamente rentável para as empresas. Sabendo usá-lo, poderá elevar as vendas e experiência do cliente em números bem expressivos.

Segundo pesquisas da SLI Systems, 34% das pessoas que acessam a loja online usam a busca e, dessas, 43% que não encontram o produto, não o procuram mais, o que significa abandono do site. Ao mesmo tempo em que está fácil trazer o consumidor para dentro do site com Buscapé, Google, Email marketing, mídia online, Facebook, FacebookAds, está mais difícil elevar a taxa de conversão, que estacionou na casa dos 2%, em geral. O desafio dos grandes e-commerces está em elevar essa taxa para 4%, índice que dobra o faturamento. Imagine o que isso representa para os grandes varejistas que lucram bilhões por ano.

Além de melhorar o encontro dos produtos no site, o campo de busca deve ser usado, e muito, para estratégias de Links Patrocinados. É fato que as campanhas devem seguir os conceitos de presença digital, um termo que defendo, no qual as marcas devem estar presentes onde as pessoas estão propensas a buscá-la. Por isso, quando montamos uma campanha, tudo está interligado.

Analisar como as pessoas buscam os produtos no site é ter insights de como  essas palavras podem ser usadas no Google, seja por meio da já mencionada ação de Links Patrocinados como também saber o que mais vende e trabalhar com foco para as buscas naturais. Consequentemente, as ações de e-mail marketing e comparadores de preços vão melhorar, no momento em que percebemos mais uma vez como as ações são amarradas dentro do conceito de presença digital.

O campo de busca jamais pode ser esquecido, pois devemos pensar que, por volta dos anos 2000, surgiu o Google, um grande agregador de sites na web, que apresenta ao usuário aquilo que ele pergunta. Se eu pergunto “caneta azul”, ele me mostra sites onde posso comprar, sites de marcas de canetas, imagens feitas com canetas, vídeos no YouTube sobre canetas, campanhas de mídia de marcas famosas, enfim, todo o universo da palavra. E, mais uma vez, vemos o conceito de presença digital aqui.

Na busca do seu e-commerce deve acontecer o mesmo, já que o Google mudou o comportamento do consumidor, que se acostumou, e agora quer respostas cada vez mais rápidas e assertivas.